top of page

Nunca perca um post. Assine agora!

Obrigado!

  • Foto do escritorPatrícia Bordignon Rodrigues

IA, de onde vem, do que se alimenta e o que entrega?

Atualizado: 15 de mar.

Episódio 1: Entendendo como a Inteligência Artificial pode ser útil no seu negócio

de Patrícia Bordignon Rodrigues 8 de março de 2023 no Artigos, Destaque do dia

Tempo de leitura: 3 minutos


Com este artigo, iniciamos a série sobre Inteligência Artificial aplicada aos negócios! Meu objetivo é ajudar você a aterrissar tantos conceitos que estamos escutando e conseguir materializar como a IA pode ser útil no seu negócio!


Mas afinal, de onde vem a IA? Já em 1943, Warren McCulloch e Walter Pitts escreveram um artigo sobre redes neurais, raciocínio estruturado de forma artificial num modelo matemático que imitava o nosso sistema nervoso. Na realidade existiram vários protagonistas, um deles foi Alan Turing, que descobriu um jeito de fazer seus testes com as máquinas. Seu intuito era realizar avaliações e saber se seria possível em uma conversa por escrito, a máquina se passar por um ser humano, o famoso teste de Turing, e para mim, esse foi um marco na história da inteligência artificial.

Em meados de ­­1950, na Universidade de Carnegie Mellon, pelos cientistas Herbert Simon e Allen Newell, que criaram o primeiro laboratório dedicado a IA dentro de um ambiente acadêmico.


E por que criaram? A IA é uma ciência que, associada à engenharia, tem como função simular o pensamento humano através de máquinas inteligentes que possam aprender, raciocinar, interpretar e tomar decisões de formas semelhante aos seres humanos com a finalidade de reduzir erros, propor soluções e facilitar rotinas. A Segunda Guerra foi um marco na IA, já que em tempo de guerra decifrar enigmas e prever ações inimigas era uma poderosa arma.

Como percebemos, IA está há muito tempo presente. Foi o uso da linguagem de algoritmos e dados que permitiram o seu aperfeiçoamento de forma surpreendente.


E para os negócios, qual o pulo do gato? A IA pode estar presente em todo e qualquer processo dentro de uma empresa. Ela veio com a missão de fazer a diferença no dia a dia das empresas, começando pelas inúmeras melhorias na otimização de processos, facilitando a captação e a fidelização de clientes, reduzindo os custos operacionais e, com isso, aumentando a competitividade e trazendo ganhos consideráveis nos resultados.


E do que ela se alimenta? De onde vem a base para que ela possa dar todos esses resultados? Dados. Isso mesmo, os dados da empresa são a base da IA. A empresa precisa inicialmente ter uma cultura data-driven, ou seja, os dados serão o principal ingrediente para as tomadas de decisão e para os planejamentos estratégicos. Tudo vai acontecer a partir dos dados. O sucesso de um projeto de IA depende totalmente dos dados, desde a coleta, processamento e análise dos dados gerados pela própria empresa ou de seu ecossistema.


Será assunto para outro artigo, mas dados precisam ter uma estratégia definida no que tange sua captação, qualidade, contexto, armazenamento, acessibilidade, gerenciamento e segurança.


Quais as principais entregas da IA para os negócios? O investimento em IA pode projetar exponencialmente o desempenho do seu negócio, seja pela tomada de decisão mais assertiva como nos aspectos produtivos e de criação. Pela ótica da tomada de decisão, a simples possibilidade de insights promovida pela análise preditiva dos dados, podem auxiliar muito em questões estratégicas, uma vez que organizados numa leitura acessível e entendíve.


Sob demais aspectos, um bom projeto de IA pode trazer, ainda, para o seu negócio:

  • otimização de processos,

  • aumento de produtividade,

  • suporte a processos inovadores,

  • apoio na criação de produtos e serviços,

  • facilitação para captação e fidelização de consumidores com um suporte eficiente,

  • atendimentos personalizados,

  • redução de custos operacionais,

  • melhora da competitividade e aumento de vendas,

  • melhora na comunicação interna com colaboradores, fornecedores e clientes,

  • proteção contra ameaças virtuais, como fraudes e ataques cibernéticos.

O que vimos nesse primeiro episódio é que os dados são o início, meio e fim de um projeto de IA bem-sucedido. A confiabilidade dos dados é a chave de acesso para que a IA possa fazer o seu trabalho. As empresas que querem ter a IA como sua principal aliada para o progresso precisam começar “adubando” a terra para colher os melhores dados. Que tal começar por um bom projeto de IA? Esta provocação faz parte do seu dia a dia?


As empresas, dos mais variados segmentos, precisam ter um projeto de IA para chamar de seu. Esse é um caminho sem volta para manutenção e crescimento do seu negócio.


Vejo vocês no próximo episódio com mais sobre IA aplicada aos negócios.


Patricia B. Bordignon Rodrigues é diretora de Marketing e Canais Benkyou. Imagem: Shutterstock

9 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page