Nunca perca um post. Assine agora!

Obrigado!

  • Patrícia Bordignon Rodrigues

Metaverso e a hora da verdade na educação corporativa

Episódio 8: Os valores que o metaverso agrega às marcas na educação corporativa

Por Patrícia Bordignon Rodrigues 16 de fevereiro de 2022 no Artigos, Destaque do dia

Tempo de leitura: 3 minutos

O reboliço no mercado é muito grande! Todas as empresas estão estudando, analisando e pensando em entrar para o mundo do metaverso. Ninguém quer ficar de fora do que parece ser a nova realidade da internet e o novo lugar onde vamos passar boas horas do nosso dia.

Tudo isso é verdade! As empresas precisam ir em busca de informações para não perder o trem das onze. Mas afinal, o que o metaverso irá agregar na educação corporativa? Quais benefícios as empresas terão adotando essa nova tecnologia nos seus treinamentos?


Quando falamos em educação corporativa, estamos falando de pessoas, de conceitos a serem aprendidos e de uma necessidade imensa de conseguir o tão desejado engajamento.


Costumo dizer aos clientes que é mandatório mudar a forma de enxergar o item capacitação apenas como uma tarefa a ser cumprida e passar a enxergá-lo como “a” tarefa a ser cumprida.

Sim, isso mesmo! A maior de todas as tarefas é a capacitação. Ela dará a base do conhecimento, dos valores e direcionará os times rumo aos propósitos da organização.


Precisa-se dar toda a nossa atenção ao “como” faremos. Essa é a chave do sucesso ou do fracasso de uma capacitação. O conteúdo que será utilizado é fundamental, mas precisamos inovar e dar vida a esse momento sublime de aprender. Precisamos dar sentido a esse tempo que os times investem para capacitar-se.

É nesse momento que entra o metaverso! Ele traz no seu DNA o conceito da inovação e da imersão, onde tudo será intenso e real. O realismo de trazer a vida física para o digital é sedutor e magnético. As pessoas são ávidas por novos formatos e por experenciar vivências desconhecidas.

Nesse contexto, o metaverso vem oferecer essa imersão que tem na sua origem a busca pelo lúdico e pela jornada fantástica, cheia de elementos visuais que prenderão a atenção dos nossos times. E mais, ganharão pontos e serão reconhecidos pelos seus feitos. Isso tudo trará satisfação, crescimento e segurança.

As marcas estão planejando como serão os seus mundos metaverso. Não só no que tange a capacitação. Ele será um catalisador de negócios, onde poderemos computar nossas vendas diárias, além de um hub de relacionamentos e de oportunidades. Como eu disse no meu último artigo, o metaverso será a nova esquina do mundo, onde os negócios acontecerão e os motores se moverão rumo ao desenvolvimento.

E vamos mais além: o investimento em inovação e tecnologia da aprendizagem vão romper com o modelo antigo, que não funciona mais nos dias de hoje. Os estímulos são outros, as necessidades são outras e o tempo é completamente fugaz. Tudo é rápido, instantâneo, criativo, dinâmico e envolvente.

Algumas empresas estão criando espaços de aprendizagem imersivos, onde participantes e instrutores estão interagindo uns com os outros com os seus avatares. Utilizando simuladores de desempenho hiper-realistas por meio de headsets de realidade virtual, telefones, iPads e PCs com RV (realidade virtual), criando um ambiente imersivo onde eles aprendem uns com os outros em simulações práticas.

As farmacêuticas Pfizer, Novartis e Bristol Myers Squibb são algumas das empresas que estão usando essa tecnologia para praticar habilidades essenciais, voltadas a salvar vida dos pacientes, em laboratórios de realidade virtual seguros.

Na área comercial, o colaborador poderá viajar pelo universo digital e aprender sobre produtos, fazer exercícios de tomada de decisão, interagir com os clientes, treinar abordagens diferentes, compartilhar os benefícios dos produtos, apresentar soluções e recursos adicionais sem custos de deslocamento e de forma realista.

É indispensável estar constantemente em desenvolvimento, pois o uso crescente destas tecnologias vai exigir muita adaptação e resiliência dos profissionais e das empresas, além de demandar uma série de novos conhecimentos, habilidades, condutas e dinâmicas sociais nos próximos anos.

A importante mensagem que quero deixar é que se pode começar hoje mesmo dentro de casa, utilizando a realidade aumentada e sem a necessidade de usar óculos especiais. Pode-se criar mundos metaverso imersivos e trazer os elementos que ilustrem o universo do negócio e nele experenciar toda a jornada do conhecimento.

A hora da verdade chegou! Com certeza, o metaverso veio trazendo inovação, imersão, encantamento e foco. E como resultado, pessoas mais engajadas e voltadas para resultados nas empresas.

Até o próximo episódio!

Patricia B. Bordignon Rodrigues é diretora de Marketing e Canais Benkyou.

Imagens: Shutterstock

4 visualizações0 comentário